Blog

20 jan 2021

FACTFULNESS, já ouviu falar?

É comum nos depararmos em rodas de conversas, discussões onde apresentamos as nossas opiniões sobre tudo que acontece no mundo! Né não?! Mas será que tudo que a gente opina, é baseado em fatos? Este é o ponto que quero levantar neste texto. Vem comigo…

Leia mais

Já ouviu falar em FACTFULNESS? Esse termo nada mais é do que você ter o hábito de só ter opiniões baseadas em fatos, ou seja, por mais que tudo a sua volta te mostre o contrário, ao analisar dados e fatos, você tem a visão real sobre o que está acontecendo sobre determinado assunto. Nosso cérebro trabalha sempre na tentativa de simplificar as coisas, como por exemplo polarizando tudo. Dividimos o mundo como “ocidente” e “oriente”, países “desenvolvidos” e “em desenvolvimento”, “pobres” e “ricos”. Fica mais fácil de entender as coisas dessa forma, porém não é verdade.

Seguindo o exemplo de como dividimos o mundo, me responda:

Onde vive a maioria da população mundial?
(  ) Em países de baixa renda.
(  ) Em países de renda média.
(  ) Em países de renda alta.

Talvez eu tenha dado uma dica na introdução deste texto e você tenha acertado. A maioria das pessoas não vivem em países de baixa renda nem de alta renda, mas sim em países de renda média. Essa categoria não existe na mentalidade dividida, mas na realidade definitivamente existe. É onde vivem 75% da população mundial. Se juntarmos países de alta e média renda nós temos 91% da humanidade, com a maioria tendo sido integrada ao mercado global e feito grande avanço ruma a condições de vida descentes.

Chamamos essa divisão que fazemos de instinto de separação. Nós temos muita dificuldade de nos livrarmos dele porque temos um forte instinto dramático, direcionado a um pensamento binário, uma compulsão básica por dividir as coisas em dois grupos distintos. Para entender melhor isso, vamos ver alguns dados sobre um tema polêmico, vamos chamar de comparações de médias.

Quando comparamos duas médias, corremos sérios riscos de cometermos erros e nos enganar ainda se focarmos na comparação entre dois números médios e esquecermos dos números altos e baixos que compõe a média. Veja, foi feito um estudo para comparar as notas médias em matemática entre homens e mulheres, através de uma prova nos EUA ao longo dos anos. O último medido foi 2016 deste estudo:

HOMENS: Atingiram a média de 527
MULHERES: Atingiram a média de 496

Se analisarmos somente a média, temos uma conclusão possivelmente equivocada sobre a realidade. Seria certo dizer que os homens sabem mais matemática do que as mulheres? Certamente não pois a amostragem não é suficiente para essa afirmativa. Isto por si só, já derrubaria esta hipótese, mas indo mais além, ao destrinchar os números levantados pelo estudo, ele mostra que as maiores notas da prova foram das mulheres com uma diferença consideravelmente grande.

A conclusão tirada desse estudo é que não existe diferenciação entre um ou outro, não existem dois grupos pois quando analisados todos os dados de todas as maneiras possíveis, as linhas dos gráficos se sobrepõe, não existe dois lados. Este é um dos vários exemplos claros que o livro FACTFULNESS de Hans Rosling apresenta, comprovando que essa polaridade que temos tanta dificuldade de nos livrar, NÃO EXISTE MAIS.

Não temos mais “países em desenvolvimento” e “países desenvolvidos”  pois a maioria está no meio desses dois supostos lados. O mundo e as coisas não estão piorando, estão melhorando. Destaco abaixo algumas coisas retiradas deste livro, que apresentam melhorias nos últimos anos:

COISAS RUINS QUE ESTÃO DIMINUÍNDO

Escravidão legal
Infecção por HIV
Mortes infantis
Pena de morte
Trabalho infantil
Fome
Destruição da camada de ozônio

COISAS BOAS QUE ESTÃO AUMENTANDO

Natureza protegida
Alfabetização
Sobrevivência infantil ao câncer
Meninas na escola
Cobertura de eletricidade
Imunização
Água potável

Estas são apenas algumas das coisas que você pode ter imaginado que estava pior, mais não está. Estão melhorando. Crie este habito, tenho certeza que vai mudar sua visão das coisas!

Marcos Caldas Brito
Co-fundador e Sócio da agência CREARTCODE.