Blog

30 jun 2021

Covid e suas consequências

Repentinamente as pessoas tiveram que mudar suas rotinas de forma brusca, se tornando um “novo normal”, onde só saímos de máscara acompanhada de álcool 70%. As pessoas não estavam preparadas psicologicamente para tal momento, consequentemente, ficaram mais ansiosas, aumentando o uso de drogas como álcool, cigarros, comidas ricas em açúcares e gorduras saturadas e com a impossibilidade de sair, o sedentarismo, que virou parte da rotina de muitas pessoas até ativas.

Leia mais

Para evitar tais costumes negativos, as redes sociais incentivam as pessoas a fazerem exercícios em casa, A OMS preocupada com o “novo normal”, com a possibilidade de um surte de obesidade criou a campanha #HealthyAthome, ou seja, #SaudávelEmCasa, com exercícios simples que podem ser feitos em casa, mas para uma pessoa que se encontra ansiosa, muitas vezes até depressiva frente toda essa situação, não existe motivação, além do que, sabemos que a realidade é outra, nem todo mundo tem o foco necessário para fazer essas práticas em casa, ou até mesmo espaço. Com isso reduziu-se muito o número de pessoas ativas, aumentando o sedentarismo, correndo o risco de um surto de obesidade devido ao medo de sair de casa.

É preciso romper o medo de sair de casa, e retornar as caminhadas, esportes, com cautela e seguindo os protocolos cuidadosamente, claro, mas voltar com as atividades físicas.

É de extrema importância a prática de exercícios, ela estimula a saúde do cérebro e previne doenças como diabete, do coração, câncer, além de ajudar a reduzir sintomas como o da depressão.

Hoje as pessoas tem se preocupado com a pandemia e esqueceram que o sedentarismo é também um grande vilão, pois pessoas que não são ativas estão mais propensas a precisarem de maiores cuidados comparados a pessoas ativas, que faziam atividades físicas regularmente.

As pessoas precisam colocar a atividade física como prioridade, para se manterem fortes, ativos e saudáveis. Com o uso de máscaras, fazer uma caminhada de 40 minutos diariamente só tem a ajudar e evitar complicações futuras para a saúde.

Maria Clara